1

“a plenitude é a totalidade das riquezas”

em grego, a palavra “pleroma” traduzida “plenitude”, denota totalidade. Portanto, é correto traduzir esta palavra grega como “totalidade”. A preposição grega traduzida” de ” em João 1: 16, significa “proveniente de” ou “retirado de”. Portanto, todos recebemos da plenitude de Cristo, da totalidade das riquezas de Deus.

no Novo Testamento, a plenitude é o que se expressa através da totalidade das riquezas. É por isso que Paulo menciona as riquezas inescrutáveis de Cristo; e também fala da plenitude de Cristo. As riquezas de Cristo são os vários aspectos do que Cristo é, enquanto a plenitude de Cristo é o resultado, o fruto do nosso gozo dessas riquezas.

à medida que desfrutamos as riquezas de Cristo, as assimilamos naturalmente ao nosso ser. Logo elas nos constituem a plenitude de Cristo, o corpo de Cristo, a Igreja, como sua expressão. Assim, a plenitude de Cristo mencionada em Efésios 1 é a plenitude de Deus mencionada em Efésios 3. Quando os crentes experimentam as riquezas de Cristo, são feitos novos de maneira natural, ou seja, recebem uma nova Constituição, o que produz a plenitude de Deus.

Para assimilar a Cristo, temos que ser fortalecidos em nosso homem interior. Além disso, devemos permitir que Cristo faça seu lar em nossos corações, isto é, que ocupe, possua e sature plenamente cada parte de nosso ser com tudo o que ele é. Então, seremos arraigados para crescer em vida, e cimentados para ser edificados. Além disso, seremos capacitados a agarrar a Cristo em suas dimensões universais de maneira prática.

Juntamente com isso, conheceremos por experiência o amor de Cristo, que excede todo conhecimento. Quando tivermos conhecido e experimentado Cristo a tal grau, seremos cheios das riquezas de Cristo até a medida de toda a plenitude de Deus. Tudo isto tem como fim, que a igreja seja constituída de maneira prática como Corpo de Cristo para sua expressão plena.

à luz de tal visão, é errôneo considerar a Igreja como um edifício material onde se celebram “cultos”. Também não é adequado considerar que a igreja é simplesmente a congregação local à qual pertencemos ou o Concílio denominacional, ao qual somos filiados. Embora hoje, muitos crentes usem o termo “o corpo de Cristo”, poucos têm uma compreensão clara do significado deste termo, pois não entenderam a revelação de que o corpo de Cristo é a expressão e plenitude de Cristo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.